BOLSISTAS CNPq BOLSAS DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E EXTENSÃO INOVADORA

Atualizado em 17/01/19 10:08.

O CNPq concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica, em universidades, institutos de pesquisa, centros tecnológicos e de formação profissional, tanto no Brasil como no exterior.

Existem várias modalidades de bolsas de formação e fomento à pesquisa, a estudantes de ensino médio, graduação, pós-graduação, recém-doutores e pesquisadores já experientes do País e do exterior. As bolsas são concedidas diretamente pelo CNPq ou por instituições de ensino e pesquisa para as quais o CNPq destina quotas de bolsas.

Dentre as diversas modalidades estão as bolsas de pesquisa. Duas modalidades são destinadas a pesquisadores que se destacam entre seus pares são elas a Bolsa de Produtividade em Pesquisa – PQ e a Bolsa de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora – DT.

As Bolsas PQ são concedidas para pesquisadores de todas as áreas do conhecimento com o objetivo de distinguir seu trabalho e valorizar sua produção. Entre os critérios para a concessão estão a produção científica, a participação na formação de recursos humanos e a efetiva contribuição para a área de pesquisa.

As Bolsas DT são concedidas para pesquisadores de todas as áreas do conhecimento com o objetivo de distinguir seu trabalho e valorizar sua produção em desenvolvimento tecnológico e inovação.

Como o número é limitado a concorrência é muito grande. Essas bolsas são concedidas mediante edital publicado anualmente e o julgamento e a classificação das propostas são feitos nas seguintes etapas:

  1. a) análise pela área técnica;
  2. b) análise por consultores ad hoc;
  3. c) análise comparativa de mérito e classificação das propostas por Comitês de Assessoramento (CAs) específicos (http://www.cnpq.br/web/guest/criterios-de-julgamento/); e
  4. d) decisão final pela Diretoria, em função da disponibilidade financeira do CNPq.

Existe uma diferenciação em níveis nas duas modalidades PQ e DT (1A, 1B, 1C, 1D e 2). Para ser Pesquisador 1 são necessários 8 (oito) anos, no mínimo, de doutorado por ocasião da implementação da bolsa e para ser Pesquisador 2 são necessários 3 (três) anos, no mínimo, de doutorado por ocasião da implementação da bolsa.

Para a categoria 1, o pesquisador será enquadrado em quatro diferentes níveis (A, B, C ou D), com base comparativa entre os seus pares e nos dados dos últimos 10 (dez) anos, entre eles o que demonstre capacidade de formação contínua de recursos humanos. Para a categoria 2, em que não há especificação de nível, será avaliada a produtividade do pesquisador, com ênfase nos trabalhos publicados e orientações, ambos referentes aos últimos 5 (cinco) anos.

Fonte: PRPI